Vantagens e desvantagens do trabalho formal e do trabalho informal

Trabalho informal ou carteira assinada? Prós e contras!

Nem sempre o trabalho formal é a melhor opção. Lógico que ele fornece uma maior segurança ao empregado. Porém, o emprego informal, muitas vezes associado a uma pior qualidade de vida (o que não é verdade) pode caracterizar uma maior flexibilidade de negociação entre contratante e contratado, inclusive maximizando os recursos financeiros e compensando a falta de pagamento dos direitos trabalhistas.

O trabalho informal é o trabalho sem vínculos ou benefícios fornecidos por uma empresa, sem carteira assinada, renda fixa, férias pagas, previdência ou qualquer outra segurança fornecida pelo Ministério do Trabalho. O fator que dá mais força ao trabalho informal no Brasil é o excesso de tributos incidentes sobre o emprego. O principal problema aqui é a falta de flexibilidade das leis trabalhistas, que estabelecem custos iguais para micro, pequenas, médias e grandes empresas. Programas como o SIMPLES nacional tendem a diminuir os custos para as empresas mas em outros gastos que não os trabalhistas. O trabalho informal é desvinculado de qualquer empresa, onde não há vínculo empregatício por meio de documentação legalizada. Com o desemprego, a requalificação de trabalhos e a competitividade, muitos optaram por se desvincular de empresas no início da década de 90. Uma tendência e crescimento que até hoje o governo tenta estabilizar, com programas como o Empreendedor Individual do Sebrae e a diminuição de impostos para abrir e manter empresas de pequeno porte. O trabalhador informal não tem direitos como férias, décimo terceiro salário, hora extra remunerada, folga semanal remunerada, FGTS, licença paternidade-maternidade, seguro desemprego e, muitas vezes, o acesso a serviços de instituições financeiras que demandam a formalização do emprego para o acesso a tais direitos. [caption id="attachment_285" align="aligncenter" width="330"]O trabalho formal O trabalho formal é caracterizado pela contratação e assinatura da carteira de trabalho por uma empresa, garantindo a este funcionário todos os direitos previstos em leis e tendo ela a contrapartida dos deveres deste trabalhador para com a empresa. (Foto: culturada3002.blogspot.com)[/caption] Porém, trabalhando informalmente e com uma boa gestão dos seus recursos financeiros, um trabalhador informal pode maximizar seus ganhos, pegando o dinheiro que outrora era descontado de seu salário na forma de INSS e investindo em aplicações financeiras mais rentáveis. É necessária uma grande disciplina para tal, mas o longo prazo pode se provar muito mais rentável e saudável, mesmo que não haja o pagamento de bônus e o décimo terceiro. Também, dá ao trabalhador uma maior liberdade e flexibilidade com seus horários, já que ele não tem as obrigações trabalhistas de um empregado formal. Este tipo de trabalho também dá uma margem maior de negociação de valores a serem pagos, já que desonera o contratante de custos trabalhistas e possibilita uma relação sem a influência de sindicatos e Convenções Coletivas de Trabalho. O trabalho formal é o trabalho com benefícios e carteira profissional assinada. Toda pessoa empregada por uma empresa que esteja sob um CNPJ válido está protegido pela CLT e tem todos os direitos citados acima garantidos. Cada papel exercido oferece uma diferente remuneração, normalmente pré estabelecida por uma Convenção Coletiva do Trabalho ou por valores praticados no mercado. Empresários também respondem a CLT, de certa maneira, e podem fazer o pagamento da previdência assim como todo empregado de suas empresas, através de seu salário, que é caracterizado pelo pro-labore. Os trabalhadores que têm registro em carteira e seus direitos trabalhistas garantidos, recolhendo uma taxa para a aposentadoria (contribuição ao INSS - Instituto Nacional de Seguridade Social). Pessoas podem trabalhar também por conta própria (sem que estejam empregadas em empresas ou órgãos do governo), recolhendo as taxas devidas ao governo, tendo os mesmos direitos que um trabalhador contratado por uma empresa e se caracterizando com trabalhador formal. A maior diferença entre o trabalho formal e o informal é a segurança que o emprego formal de carteira assinada possibilita ao trabalhador. Tido como um dos alicerces do Estado moderno, as leis trabalhistas forma a base de uma pirâmide sobre a qual um país se ergue. Porém, a falta de flexibilidade das leis torna muitas vezes os custos de manter um empregado ou mesmo, a demissão destes, um processo caro e que onera demais a empresa, levando muitas a desistir da formalidade e caminhar em outras direções. Porém, cabe ao empregado saber qual relação é melhor para que ele tenha o maior ganho e desempenho em seu campo de trabalho. Uma empresa que contrata um empregado informalmente, sem firmar um contrato, estabelece uma relação formal de trabalho que se comprovada mediante provas legais e testemunhas, pode fazer com que a empresa tenha de pagar ao contratado os direitos trabalhistas referentes ao período em que ele estava contratado.

Marcadores: , , , , , ,


Novos textos em seu e-mail!