Como fazer o controle do banco de horas?

Em Recursos Humanos por André M. Coelho

Altas demandas está aumentando os custos de pagamento de horas extras em diversas empresas. Geralmente, trabalhadores tem direito a receber a mais pelas horas extras ao trabalhar mais de 40 horas por semana. Mas despesas extras não é o único resultado de horas extras. Longos turnos podem exacerbar a fadiga do trabalhador, gerar menor produtividade e levar a preocupações de segurança e saúde.

Outra solução, ao invés do pagamento das horas extras, é através do banco de horas. Mas como fazer o controle do banco de horas e horas extras para evitar problemas?

Monitore de perto as horas extras para o banco de horas

Se você providenciar consistentemente para horas extras acima e além de incrementos razoáveis, e criar um banco de horas com muito acumulado, você corre o risco de cansar os trabalhadores, criando questões de segurança e causando problemas de produtividade. Horas extras também muitas vezes aumentam o absenteísmo e o atraso. Os trabalhadores podem sentir a necessidade de solicitar dias de saúde mental.

Embora seja perfeitamente aceitável – e frequentemente aconselhável – colocar horas extras e bancos de horas no calendário da sua empresa, faça isso de forma tão sensata. Sua empresa pode permanecer produtiva sem sacrificar a segurança.

Limite as horas extras na planilha de banco de horas

Limitar o tempo extra ao longo de um período definido pode aliviar alguma incerteza de agendamento. Quando os funcionários têm uma ideia melhor do próximo cronograma de horas extras, são menos prováveis ​​de aparecer tarde ou tomar um tempo extra inesperado para as tarefas. Além disso, a segurança não será comprometida, tanto quanto pode ser sem limites de horas extras.

Sua empresa pode, com a limitação, também saber quando será necessário contratar funcionários temporários para suprir necessidades da empresa.

Um bom modelo de banco de horas segue os limites biológicos

Muitos trabalhadores acham difícil ignorar o ritmo natural de trabalhar durante o dia e dormir à noite. Como o corpo humano experimenta uma baixa energia e reflexão entre as 15 e as 6 da manhã, as noites de trabalho são mais difíceis do que o dia de trabalho.

Para ajudar a contrariar isso, considere o rastreamento de horas extras por noite e dias de mudança de turnop. Se a sua empresa usa turnos fixos, você pode querer ter uma tampa anual mais baixa para funcionários noturnos do que tripulantes do dia. Se você usar turnos rotativos, certifique-se de que não mais da metade das horas extras de um indivíduo se acumulam durante os turnos noturnos.

Controle de banco de horas

Banco de horas precisa de um bom controle para não causar problemas para a empresa. (Imagem: Whalen & Company)

Imponha restrições de tempo

A resistência humana tem seus limites: reconhecê-los. Se sua empresa baseia seus horários em turnos de 12 horas, reduzir ou eliminar as horas extras, exceto em emergências.

Você pode estender a mudança de um funcionário uma hora extra ou duas se uma substituição estiver atrasada, mas é isso. As únicas horas extras regulares disponíveis para um trabalhador de 12 horas devem ocorrer em um dia de folga. Se a sua empresa usa turnos de oito horas, não permita a mudança dupla e restrinja horas extras até um máximo de quatro horas.

Segurança no banco de horas

Quando os funcionários trabalham mais de 10 horas, a segurança se torna uma preocupação aumentada. Tenha em mente que os funcionários podem estar em risco porque são:

Desacostumados a trabalhar mais horas

Faltam os dias de folga necessários para se recuperar

Dirigem para casa às 3 ou 4 da manhã, um tempo de alto risco para estar na estrada

Verifique mais de uma vez se todos os procedimentos de segurança estão sendo observados e examine os procedimentos para ver se há espaço para melhorias.

Cuidado com os funcionários que acumulam horas extras

Quando horas extras são voluntárias, alguns funcionários podem desejar o pagamento adicional e se colocarem em risco. No banco de horas, podem procurar mais horas extras para conseguir tempos de folgas. Não é incomum que 20% dos funcionários realizem 80% do trabalho de horas extras.

Não os corte completamente, mas tente transitar para uma programação que se espalha a hora extra mais uniformemente. Certifique-se de que os funcionários sejam notificados sobre a mudança na política e que eles entendam as razões por trás dela.

Defina uma ordem de quem pode tirar horas extras

Quando horas extras para o banco de horas são regulares – e voluntárias – configure uma lista com base em fatores, como antiguidade ou tempo de serviço. Os funcionários mais longos podem ter tocado pela primeira vez em horas extras, mas, para manter as oportunidades abertas, considere eliminar os nomes das pessoas a tirar mais horas extras para a parte inferior da lista. Isso dá mais pessoas uma chance de horas extras.

Treinamento para evitar horas extras dos funcionários

Horas extras podem ser um problema quando apenas certos trabalhadores fazem certos empregos. Isso pode produzir uma disparidade de horas extras se for necessário tempo extra para um determinado trabalho. Pode até forçar os funcionários a trabalharem horas extras indesejadas. Ao treinar funcionários para lidar com mais de um trabalho, você pode impulsionar a flexibilidade da sua empresa e evitar estes problemas de excesso de horas extras e bancos de horas.

Combine o trabalho com as exigências

Os fabricantes muitas vezes confiam em um processo de agendamento antiquado que não otimiza a produtividade. Analise como e quando usar horas extras para a máxima eficiência e evitar que os funcionários permaneçam em pé à medida que as pílulas de respostas pagas de horas extras.

Mantenha as ferramentas e a tecnologia atualizadas

Atualizando as ferramentas que sua equipe usa diariamente pode ajudar sua empresa a funcionar com mais eficiência. A tecnologia também pode ser usada para automatizar o fluxo de trabalho e melhorar o gerenciamento de projetos. Ficar atualizado permite que os funcionários sejam mais produtivos durante o horário de trabalho regular, reduzindo – e potencialmente eliminando – a necessidade de horas extras.

Ficou alguma dúvida? Deixem nos comentários suas perguntas para que possamos responder!

Sobre o autor

Autor André M. Coelho

André é pós-graduado em pedagogia empresarial, especializando na padronização de processos. Possui mais de 300 horas em cursos relacionados à administração de empresas, empreendedorismo, finanças, e legislação. Atuando também como consultor e educador empresarial, André escreve sobre Recursos Humanos desde 2012.

Deixe um comentário