Curso técnico de enfermagem: quanto ganha? Como fazer?

Em Motivação no trabalho por André M. Coelho

Técnicos em enfermagem ajudam os enfermeiros, médicos e outras profissões de saúde com tarefas básicas. Esses indivíduos podem ser chamados por diferentes nomes, dependendo das instalações de saúde. Porém, o trabalho do técnico em enfermagem é muito bem delineado, e com salários que vem pagando bons valores ao longo do tempo.

Qual o salário de um técnico de enfermagem?

O salário médio para técnicos em enfermagem varia entre 1,5 salários mínimos e 3 salários mínimos, dependendo das especializações que o técnico tem e o nível de experiência. Porque esta é uma posição de nível de entrada, você geralmente não vai ganhar tanto quanto outros profissionais de saúde que tenham certificação ou uma educação mais extensa.

Seu pagamento geralmente será maior do que o salário mínimo, mas não muito maior.

O que faz um técnico em enfermagem?

Abaixo está uma lista de tarefas comuns:

Realizar trocas de sondas ou trocas de curativos.

Algumas organizações de saúde quebram os técnicos de enfermeira estudantil em diferentes categorias, com base na sua progressão acadêmica. Por exemplo, se você ainda não estiver na escola de enfermagem, você pode ser contratado como uma enfermeira Nível 1 Tech. Então você pode se tornar uma enfermeira tecnologia 2 após o primeiro ano, e então você pode progredir para uma enfermeira tecnologia 3 até que você passe Nclex.

Cada nível pode incluir um aumento nas responsabilidades de pagamento e emprego, mas novamente, isso varia entre as instalações de saúde. Alguns hospitais, por exemplo, permitirão que você faça mais tarefas à medida que você completa cursos ou certificações.

Técnico em enfermagem

O técnico em enfermagem auxilia os profissionais de enfermagem no trabalho, tornando o ambiente mais produtivo e especializado. (Imagem: Mother Nurse Love)

Curso para técnica em enfermagem

Você geralmente terá que ter pelo menos 18 anos e ter seu diploma do ensino médio. Alguns hospitais e outras instalações de saúde exigirão que os técnicos de enfermagem estudantil sejam inscritos em um programa credenciado e mantenham um certo nível de desempenho. No entanto, as instalações de saúde com títulos mais genéricos podem exigir um diploma do ensino médio.

A certificação é necessária se você se tornar um técnico em enfermagem.

Vale a pena ser um técnico em enfermagem?

Trabalhar como um técnico de enfermagem pode fornecer aos alunos uma grande base para a enfermagem. No entanto, como todos os trabalhos, este trabalho tem seus prós e contras.

Aqui está o que a maioria dos técnicos em enfermagem gosta, em seu trabalho:

Amam como o trabalho os ajuda a se preparar para a enfermagem. Eles conseguem trabalhar ao lado de enfermeiras experientes. Isso reduz muitas de suas ansiedades. Também os ajuda a aplicar o material em sala de aula de maneira realista.

Eles adoram trabalhar com pacientes.

Os técnicos desfrutam de um horário de trabalho flexível.

Eles amam como fornece oportunidades de avanço e os ajuda a garantir um emprego após a escola de enfermagem. Alguns hospitais garantem essencialmente seus técnicos de enfermeira um emprego quando se formam.

Aqui está o que a maioria dos técnicos em enfermagem não gostam em seus trabalhos:

O salário não é muito bom.

Algumas enfermeiras podem ser rudes.

Algumas tarefas, como a limpeza dos pacientes, não são muito agradáveis para muitos técnicos..

Uma coisa que você deve ter em mente é que alguns hospitais podem considerar o começo da carreira um estágio não remurado. Outros podem ter pago posicionamentos, mas eles não oferecem benefícios. Outros oferecerão pagamento integral e benefícios. É melhor olhar para listagens na sua área para determinar esses detalhes.

O que acham da carreira de técnico em enfermagem? Vocês iriam nesse caminho?

Sobre o autor

Autor André M. Coelho

André é pós-graduado em pedagogia empresarial, especializando na padronização de processos. Possui mais de 300 horas em cursos relacionados à administração de empresas, empreendedorismo, finanças, e legislação. Atuando também como consultor e educador empresarial, André escreve sobre Recursos Humanos desde 2012.

Deixe um comentário