Quanto mais os trabalhadores permanecem desempregados, maior o risco de se tornarem deprimidos. Esta conclusão pode não ser difícil de chegar, mas os números revelam claramente uma ligação entre o desemprego e a saúde mental que precisa ser compreendida para que não haja um agravamento do problema.

Depressão pós desemprego

Desempregados enfrentam mais do que o dobro da probabilidade de ficarem deprimidos ou terem de receber tratamento para a depressão em comparação com trabalhadores contratados a tempo integral. Um pouco mais de 12% dos desempregados que foram entrevistados na pesquisa relataram depressão ou estarem em tratamento em comparação com apenas 5,9% dos indivíduos empregados normalmente. A taxa para aqueles que foram desempregados por 27 semanas ou mais (longo prazo) foi de 18%. Isso mostra uma clara tendência e associação, comprovando que o desemprego realmente pode ser um fator agravante de depressão em pessoas que outrora estavam perfeitamente saudáveis. Mas não podemos dizer, diretamente, que o desemprego causa depressão.

Desespero por estar desempregado: causas e ligações com a depressão

Dizer que há uma ligação entre o desemprego de longa duração e altas taxas de depressão não é a mesma coisa que dizer que o desemprego causa depressão. Pode ser que as pessoas estão deprimidas e, portanto, acham difícil de se tornarem empregadas. Alguns empregadores vão escolher o candidato otimista ao invés do candidato deprimido. As chances são boas de que pelo menos uma parte da associação é realmente de causar a depressão. Pesquisas psicológicas conectam a falta de emprego com uma série de problemas de saúde mentais, incluindo a depressão.

Desemprego causa depressão

O desemprego pode ser um fator agravante para causar a depressão ou para piorar uma depressão que o indivíduo já tenha. (Foto: The Fiscal Times)

Estou desempregado e desesperado: por que fica difícil conseguir o emprego depois de algum tempo?

Relatórios de pesquisas descobriram que a depressão é responsável por milhões de dias perdidos a mais no trabalho a mais, em comparação com o número de dias perdidos por aqueles que não estão deprimidos. Este tempo livre tem um custo de bilhões anualmente para os empregadores. Um número significativo de indivíduos que se tornam empregados após o desemprego de longa duração ficam mais uma vez sem trabalho em menos de um ano. Poderia ser porque esses trabalhadores estão deprimidos e a depressão os leva a perder dias de trabalho? Isso também poderia explicar porque quanto mais tempo uma pessoa fica sem trabalho, mais difícil se torna convencer os empregadores a contratá-los.

Existem outras questões que tornam difícil achar um emprego, mas que uma pessoa tem que olhar. Quanto mais tempo eles ficam sem trabalho, mais suas habilidades são suscetíveis de serem prejudicadas. Isso os coloca em desvantagem quando competem por vagas de emprego. Mas não são apenas as habilidades de trabalho que pioram. A autoconfiança e a motivação de uma pessoa também começam a oscilar ao longo do tempo. Isso pode significar que eles se apresentam como uma pessoa sem brilho durante as entrevistas, ou eles desistem completamente da vaga.

Não surpreendentemente, quanto mais tempo uma pessoa fica sem trabalho, menos otimistas eles se sentiam em se tornarem empregados novamente. Entre os desempregados com apenas duas semanas, de desemprego, a maioria acreditava que teriam um emprego dentro de um mês. No entanto, após 27 semanas, a maioria passava a não acreditar que iriam conseguir um trabalho nas próximas quatro semanas, enquanto uma minoria ainda estavam esperançosos.

Perder a confiança é uma das consequências infelizes do desemprego de longa duração, mas essa falta de confiança também pode ser um reflexo da realidade. Um estudo descobriu que os empregadores eram mais propensos a contratar candidatos mal qualificados que estavam desempregados há menos de seis meses em relação a candidatos mais qualificados que estavam procurando trabalho por mais de seis meses. Pode ser claramente a identificação de sintomas nessas pessoas que está dificultando a contratação e, consequentemente, mantendo-as desempregadas por mais tempo.

Como se recuperar a depressão causada pelo desemprego?

O primeiro passo é procurar ajuda. Familiares, amigos, e profissionais de saúde devem ser contatados para auxiliar nas melhoras para curar a depressão. É possível encontrar esse auxílio mesmo na saúde pública através da consulta com psicólogos e psiquiatras, importantes profissionais para auxiliar na recuperação da depressão. A prática de exercícios físicos e a continuidade dos estudos também são fatores que auxiliam muito na melhora da depressão. O mais importante nesse momento é não se afastar das pessoas. Conte com a ajuda de todos, e você terá sua depressão vencida e seu emprego muito mais próximo de ser conquistado.

Você já teve que lidar com a depressão e o desemprego? Como superou? Quais foram as maiores ajudas que recebeu?

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)