Óculos de segurança com grau, é obrigação da empresa?

Escrito na categoria "Recursos Humanos" por André M. Coelho.

Existem diretrizes da Legislação Trabalhista com relação a exames oftalmológicos e potencial pagamento de óculos de segurança, com questões exatas definidas pela NR 6. Se você precisar de óculos de proteção para o seu trabalho, deverá usar óculos de grau apropriados. Estes óculos de proteção devem ser de boa qualidade e ser colocados e fornecidos gratuitamente pelo seu empregador.

Óculos de segurança de grau: a empresa precisa fornecer?

Sim, de acordo com a NR 6 e demais regras de segurança do trabalho.

Se você tiver qualquer problema em conseguir óculos de segurança de grau do seu empregador, certamente deveria fazer barulho a respeito. Pode valer a pena apontar seu chefe na direção da NR 6, além de questões importantes de segurança do trabalho, já que erros ou acidentes podem ser muito mais caros do que um par de óculos de segurança. Se você tem um chefe acessível, ele pode estar aberto à ideia de comprar óculos de segurança de grau, especialmente se você mostrar o ângulo que o óculos te deixará mais eficaz em seu trabalho, e os custos dos óculos são muito baratos.

O empregador precisa pagar o testo oftalmológico para óculos EPI com grau?

Em termos de seu empregador pagar pelo teste de visão, é provável que ele pague por ele em um exame admissional ou quando a visão é essencial para a natureza do trabalho. As atuais regras da lei trabalhista não estabelecem que os empregadores devem pagar por um exame de vista para os funcionários que passam uma quantidade “considerável” de tempo dependendo da visão para a finalidade de seu trabalho. Porém, pode ser recomendável fazer os exames para proteger a empresa de possíveis processos trabalhistas.

De forma geral, o próprio empregado deverá fornecer as especificações de grau para o óculos de segurança, através de exame oftalmológico feito por conta própria. Porém, o empregador pode fazer este exame também durante a admissão do trabalhador.

EPI para funcionários

O óculos de segurança com grau precisa ser fornecido aos funcionários, como está definido pela NR 6. (Foto: www.nutritionsolutions.ca)

Por que é importante um óculos de grau para segurança do trabalho?

É muito comum que óculos de segurança sejam usados por cima dos óculos de grau. Isto pode causar riscos desnecessários. O uso de óculos de proteção em cima dos óculos pode causar um aumento na reflexão da luz entre os dois conjuntos de lentes. Isso pode afetar a qualidade da visão. Há também o problema de usar fisicamente dois conjuntos de aparelhos, que podem ser desajeitados, pesados ​​e desconfortáveis.

O fornecimento de óculos de segurança com grau é uma solução mais adequada para qualquer pessoa que necessite de óculos de segurança regularmente, com os óculos de proteção sendo apenas uma opção para uso de curto prazo para visitantes ocasionais. As armações e as lentes estão disponíveis em uma variedade de materiais, para atender aos diferentes requisitos da indústria. Os óculos de segurança e grau estão até disponíveis com lentes bifocais ou multifocais, para combinar com a opção de lente que um indivíduo usa para seus óculos do dia a dia, de forma que sejam mais confortáveis ​​aos olhos do usuário e adequados para trabalhos próximos e à distância.

Quem deve fornecer óculos de segurança com grau?

As empresas que tem funcionários que precisam de óculos de segurança de acordo com as NRs apropriadas precisam fornecer o óculos de proteção com grau. Isto geralmente significa que empresas onde há trabalho com químicos, materiais que podem liberar partículas no ar, e em qualquer ambiente os olhos podem se expor ao risco, precisam do uso dos óculos de proteção.

Ficou alguma dúvida? Deixem nos comentários suas perguntas e iremos responder!

Sobre o autor

Autor André M. Coelho

André é pós-graduado em pedagogia empresarial, especializando na padronização de processos. Possui mais de 300 horas em cursos relacionados à administração de empresas, empreendedorismo, finanças, e legislação. Atuando também como consultor e educador empresarial, André escreve sobre Recursos Humanos desde 2012.

Deixe um comentário