Como lidar com pessoas falsas e fofoqueiras no trabalho?

Escrito na categoria "Aconteceu na empresa" por André M. Coelho.

Em qualquer escritório sempre haverá pessoas falsas que fazem fofocas sobre colegas de trabalho. Porém, apesar de parecerem inocentes, certas fofocas podem destruir carreiras e reputações. Descobrir que as pessoas estão falando pelas suas costas no trabalho pode ser devastador. E isso também pode ter um sucesso na coesão da equipe, moral e produtividade. Para voltar ao caminho certo quando a fofocas começarem a aparecer no ambiente profissional, veja o que pode ser feito sobre o assunto.

Como lidar com pessoas que querem te prejudicar no trabalho: se dirigindo ao fofoqueiro

Se você descobrir que as pessoas estão falando sobre você de forma intrusiva ou inadequada, você pode tratar com a pessoa diretamente. A fofoca pode ser uma forma de assédio verbal. Apenas se aproxime do instigador se você tem 100% de certeza de que ele é responsável pela fofoca. Faça sua aproximação de forma particular e educadamente, mas firmemente expressando seu descontentamento. Os locais de trabalho devem ser profissionais e, portanto, livre de fofocas. Uma regra de ouro para expressar ao fofoqueiro é dizer a ele que se algo não pode ser dito na sua presença, então é algo que não deve ser dito em qualquer situação.

Você deve tomar a abordagem direta. de uma forma que não crie um confronto direto com a pessoa que está na raiz do fofoca. Fale com o fofoqueiro sobre todos os problemas potenciais e peça-lhes para não falar mais sobre o assunto

Isso inclui comentários em redes sociais. Verifique o código de conduta da sua organização se você acha que alguém pode estar ofendendo sua pessoa com fofocas nas redes sociais.

Como lidar com fofocas no trabalho

A fofoca pode destruir reputações e carreiras. Por isso, é importante lidar com ela de frente para evitar uma bola de neve que sai do controle dos envolvidos. (Foto: Wall Street Journal)

Falsidade no trabalho e a fofoca: dê ao fofoqueiro uma chance de se salvar

Como parte de sua abordagem de confronto não direto, mantenha a conversa leve. Manter um senso de humor enquanto você lida com o fofoqueiro, dizendo que ouviu algo muito louco sobre você no trabalho, e achou engraçado o que disseram, como forma de abrir a conversa. Ou você pode tentar perguntar como a pessoa pode ter pensado aquilo sobre você, para ver o que o fofoqueiro teria a dizer. O mais importante é nunca responder fofocas com mais fofocas.

Como lidar com pessoas falsas e fofocas no ambiente de trabalho: pese no processo

Embora a fofoca seja muitas vezes prejudicial e improdutiva, às vezes há maneiras de torná-la útil. Ouvir fofocas sobre si mesmo no local de trabalho não é divertido, é realmente um dom. As pessoas que estão fofocando sobre você acabam de alertá-lo para uma percepção que está crescendo sobre sua pessoa, e que a percepção pode se espalhar ainda mais se você não agir.

Não é recomendado, porém, prestar a atenção a tudo que é dito sobre você, mas basta procurar padrões em seu comportamento percebido para fazer descobertas importantes sobre como as pessoas enxergam você. Como todos sabemos, a percepção é a realidade, e como os outros te enxergam afeta seu desejo de trabalhar e oferece mais oportunidades de crescimento.

Fofoca no trabalho: denuncie

Fofoca é uma distração no trabalho, e pode ser uma forma de assédio. Não hesite em envolver o setor de RH da empresa se houver um problema que você não possa resolver por conta própria. A maioria dos empregadores tem um manual de ética que proíbe qualquer forma de assédio. Se o fofoqueiro não parar após o seu confronto, pode ser considerado assédio. Documente o assunto e relate para o RH ou seu supervisor, cortando o mal pela raiz. O quanto antes você lidar com o problema, melhor será para você e sua carreira profissional.

Como você lida com fofocas no ambiente profissional? Que dicas daria para quem está lidando com problemas de fofocas?

Sobre o autor

Autor André M. Coelho

André é pós-graduado em pedagogia empresarial, especializando na padronização de processos. Possui mais de 300 horas em cursos relacionados à administração de empresas, empreendedorismo, finanças, e legislação. Atuando também como consultor e educador empresarial, André escreve sobre Recursos Humanos desde 2012.

Deixe um comentário