Começar um negócio é uma grande conquista para muitos empresários, mas manter um é o desafio maior. Há muitos desafios normais que enfrentam todas as empresas, sejam elas grandes ou pequenas. Estes incluem coisas como contratar as pessoas certas, construir uma marca e assim por diante. No entanto, existem alguns que são exclusivos para empresas de pequeno porte. Vamos olhar para alguns dos maiores desafios neste artigo.

Dependência do cliente

Se um único cliente torna-se mais da metade de sua renda, você é mais um contratado independente do que um empresário. Diversificação da base de clientes é vital para o crescimento de uma empresa, mas pode ser difícil, especialmente quando o cliente em questão paga bem e na hora certa. Para muitas pequenas empresas, ter um cliente disposto a pagar a tempo para um produto ou serviço é uma dádiva de Deus.

Infelizmente, isso pode resultar em uma deficiência de longo prazo, porque, mesmo se você tiver empregados e assim por diante, você pode ser ainda atuando como um sub-contratado para uma empresa maior. Este arranjo permite o cliente a evitar os riscos de adição de folha numa zona onde o trabalho pode secar-se a qualquer momento. Todo o risco é transferido da empresa para você e seus funcionários. Isso pode funcionar muito bem, desde que os seus principais clientes tenham uma necessidade constante para o seu produto ou serviço. No entanto, é geralmente melhor para uma empresa ter uma base de clientes diversificada para pegar a folga quando um único cliente parar de pagar.

Administração do dinheiro

Ter dinheiro suficiente para cobrir as contas é uma obrigação para qualquer negócio, mas também é uma obrigação para cada indivíduo. Seja o seu negócio ou sua vida, um provavelmente vai emergir como uma fuga de capitais que coloca pressão sobre o outro. A fim de afastar este problema, os proprietários de pequenas empresas ou devem ser fortemente capitalizados ou ser capazes de pegar uma renda extra para reforçar as reservas de caixa, quando necessário. É por isso que muitas pequenas empresas começam com os fundadores trabalhando em um emprego e construindo um negócio ao mesmo tempo. Embora este enfoque de divisão pode tornar mais difícil para crescer um negócio, ficar sem dinheiro faz crescer um negócio impossível.

A gerência de dinheiro torna-se ainda mais importante quando o dinheiro está fluindo para os negócios e para o proprietário. Embora a manipulação da contabilidade das empresas e dos impostos pode estar dentro das capacidades da maioria dos empresários, a ajuda profissional é geralmente uma boa ideia. A complexidade dos livros de contabilidade de uma empresa sobe com cada cliente e empregado, e não obter uma assistência na manutenção financeira pode impedi-lo de se expandir. Desde o início do negócio é bom ter ao seu lado os serviços de um contador.

Consultoria financeira

Gostaria até de reforçar a importância do contador aqui. Muitos empresários são surpreendidos com impostos e taxas inesperadas quando começam seus negócios, além de ter que lidar com órgãos reguladores em alguns setores. Não bastasse isso, eles descobrem que um funcionário que recebe um salário mínimo custa, além do salário, entre 40% a 50% a mais para a empresa, devido a encargos do passivo trabalhista. A verdade é que sem o contador, você não estaria preparado para isso e seria mais um dos microempresários que não teria o capital de giro para colocar seu negócio funcionando.

Lógico, o contador custa um preço, normalmente uma taxa fixa ou participação nos lucros pela consultoria. Mas ele se tornará uma ferramenta essencial no escalonamento de seus negócios de forma sustentável. Estes profissionais do ramo financeiro, devem ser altamente confiáveis e lidados como recursos essenciais da micro e pequena empresa. O know-how que eles tem sobre o mercado é que ajudará você a enfrente dificuldades e problemas durante seu trabalho.

Fadiga

As horas, o trabalho e a pressão constante para realizar algo, avança mesmo sobre os indivíduos mais apaixonados. Muitos donos de empresas, mesmo as bem-sucedidas, ficam presos a trabalhar muito mais horas do que os seus empregados. Além disso, eles temem que a sua empresa vai parar na sua ausência, então evitam tomar qualquer tempo longo longe do trabalho para recarregar. Quando a fadiga se instala, o cansaço com as horas e os resultados podem levar a decisões precipitadas sobre o negócio, incluindo o desejo de abandoná-la completamente. Encontre um ritmo que mantém o negócio funcionando sem deixar para baixo o proprietário. Este é um desafio que chega mais cedo (e muitas vezes) na evolução de um pequeno negócio.

Dependência do fundador

Se você sofre um acidente, o seu negócio continua a produzir o rendimento no dia seguinte? Um negócio que não pode operar sem o seu fundador é um negócio com um prazo limitado de funcionamento. Muitas empresas sofrem de dependência do fundador, e esta dependência é muitas vezes causada pelo fundador ser incapaz de abrir mão de certas decisões e responsabilidades enquanto o negócio cresce. Enfrentar este desafio é fácil na teoria: O proprietário de uma empresa apenas tem de dar ao longo do tempo mais controle aos seus funcionários ou parceiros. Na prática, porém, este é um grande obstáculo para os fundadores, pois geralmente envolve comprometer (pelo menos inicialmente) sobre a qualidade do trabalho que está sendo feito até que a pessoa aprenda a fazê-lo bem.

Quebra cabeças e negócios

Um pequeno negócio é muito semelhante a um quebra cabeças, quando você acabou de retirar da caixa. É difícil visualizar a imagem a ser formada se você não conhecia ela antes com o planejamento ou uma foto do quebra cabeças. (Foto: adoptanegotiator.org)

Balanceando equilíbrio e crescimento

Mesmo quando uma empresa não é dependente de seu fundador, chega um momento em que as questões de crescimento parecem igualar ou até mesmo superar os benefícios. Seja um serviço ou um produto, em algum momento, uma empresa deve sacrificar a fim de escalar a produção ou prestação de serviços. Isso pode significar não ser capaz de gerir pessoalmente cada relacionamento com o cliente ou não inspecionar cada produto que sair da fábrica.

Infelizmente, é geralmente esse nível de engajamento pessoal e a atenção ao detalhe que faz um negócio semi-sucedido. Por isso, muitos proprietários de pequenas empresas muitas vezes se encontram vinculados a esses hábitos em detrimento do crescimento da empresa. Há um meio-termo entre grande trabalho de má qualidade e uma obsessão doentia com qualidade, por isso é função do proprietário da empresa navegar nos processos em direção a um compromisso que permite escala sem ferir a marca ou a qualidade.

Os funcionários

Contratar um funcionário, principalmente sem a consultoria de recursos humanos apropriado, pode ser um grande desafio, que acaba com suas forças. Não é impossível, porém. Só que você terá de aprender a lidar com a gestão de diferentes pessoas e problemas. Você pode ter um funcionário que executa as tarefas de forma ímpar, mas não é proativo. Você pode ter um funcionário excelente, mas que não é confiável, chegando atrasado todos os dias, arrumando desculpas para sair mais cedo.

É muito comum em empresas de pequeno porte uma alta rotatividade de funcionários. 99% disso acontece pelo não investimento em um bom processo seletivo e de treinamento. Você pode até ter o funcionário perfeito, mas se ele não receber um bom suporte e instrução, com certeza ficará desmotivado rapidamente. Invista em treinamento, contrate apenas um funcionário que tenha disposição e compreenda a missão e visão da empresa e ainda por cima, dedique o primeiro mês inteiro para treiná-lo muito bem. Você terá 3 meses no total para decidir se ele irá ou não ficar na empresa e esse tempo impede também que você tenha gastos desnecessários com despesas trabalhistas na hora de demiti-lo.

Não se esqueça de fazer um regimento interno e deixar bem claras as regras da empresa. Se proteja de funcionários, por nesse momento deliciado, um simples sopro pode destruir o equilíbrio de seu negócio.

O problema do sócio

Este problema entra também um pouco no problema da gestão de pessoas. Ao lidar com um parceiro nos negócios, você está lidando com uma personalidade diferente da sua. Isso significa que em alguns momentos você terá que ceder. Pode ser um problema ainda mais grave se um dos sócios entrou com mais dinheiro do que o outro na empresa. Pode ser também que vocês descubram que não são compatíveis e acabem separando os negócios.

Bom, a única forma de evitar isso é com o planejamento. Todas as decisões, planos, objetivos, negócios, tudo mesmo deve estar no plano de negócios da empresa. Tudo deve ser conversado, e decidido antes da empresa começar. Não preciso dizer o quão óbvio é que irão surgir problemas para os quais vocês não estava preparados. Neste momento, entra a capacidade de diálogo de ambos para chegar a um consenso. Pode não ser exatamente o que você ou ele queriam, mas ambos devem ceder e aprender a caminhar lado a lado com suas decisões.

Bônus: A legislação brasileira

Acredite: Ela é um desafio maior do que você imagina. Por isso, recomendamos muito que você vá até uma agência do SEBRAE ou busque uma consultoria legal externa para abrir seu negócio de acordo com toda a legislação vigente sobre o mesmo, de forma a não enfrentar problemas legais no futuro, que poderão significar a morte de seu negócio.

Vale lembrar que há uma grande morosidade no judiciário brasileiro. Isso poderá acarretar em altos custos futuros além de problemas que perduram por muito tempo. Por isso, frisamos novamente a importância de investir alto no planejamento legal de sua empresa enquanto monta seu plano de negócios.

Encontre a legislação específica para sua área de atuação. Encontre a legislação trabalhista e compreenda o que você pode e não pode fazer. Converse com um advogado trabalhista e veja se você realmente compreendeu as leis. Só assim, você garante que sua empresa está legal e funcionará de forma apropriada no mercado, blindada contra quase todos os problemas que poderá enfrentar.

Considerações finais

Estes são os desafios, mas não a pena de morte. Uma das piores coisas que um proprietário de pequena empresa pode fazer é abrir uma empresa sem considerar os desafios que se avizinham. Nós olhamos algumas coisas que podem ajudar a tornar esses desafios mais fáceis, mas não há como evitá-los por completo. Um passo importante na superação de um desafio é saber o tamanho desse desafio. Além disso, um ímpeto competitivo é muitas vezes uma das razões pelas quais as pessoas começam seu próprio negócio e cada desafio representa mais uma oportunidade para competir.

Lembre-se: Um empreendedor não tem dificuldades. Ele tem desafios.

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)