Qualquer atividade, substância, objeto ou comportamento que se tornou o foco principal da vida de uma pessoa, causando a exclusão de outras atividades, ou que tenha começado a prejudicar o indivíduo ou outros fisicamente, mentalmente ou socialmente é considerado um comportamento viciante.

Uma pessoa pode se tornar viciada, dependente, ou compulsivamente obcecada com qualquer coisa. Alguns pesquisadores sugerem que há semelhanças entre dependência física a vários produtos químicos, como o álcool e heroína, e a dependência psicológica para atividades como jogo compulsivo, sexo, trabalho, corrida, fazer compras ou distúrbios alimentares. Pensa-se que estas atividades de comportamento podem produzir beta-endorfinas no cérebro, o que faz com que a pessoa se sinta “elevada”. Alguns especialistas sugerem que se uma pessoa continua a exercer a atividade para alcançar esse sentimento de bem-estar e euforia, e ele/ela pode entrar em um ciclo viciante. Ao fazê-lo, a pessoa se torna fisicamente viciado nas próprias substâncias químicas do cérebro, levando assim a continuação do comportamento, embora possa ter consequências negativas para a saúde ou sociais.

É preciso olhar para as dependências físicas e psicológicas de uma variedade de substâncias, atividades e comportamentos como um processo de dependência e como comportamentos de dependência. Eles sugerem que todos estes comportamentos têm uma série de características comuns, que tornam mais semelhantes do que diferentes uns dos outros e que não devem ser divididos em categorias separadas, doenças ou problemas.

Vício na internet

No mundo moderno, estamos rodeados de novos vícios, difíceis de serem diagnosticados. Um deles é o vício na internet, que já afeta muitas pessoas ao redor do mundo. (Foto: diariocatarinense.clicrbs.com.br)

Entendê-los ajuda a pessoa a conseguir controlar os vícios e assim, não prejudicar sua produtividade, seu dia a dia. Afinal, viciados em Redes Sociais, aparelhos eletrônicos, Vídeo Games e outros vícios modernos se tornam cada vez mais comuns e já fazem várias pessoas desempregadas no mundo atual.

Características comuns entre comportamentos de dependência

Há muitas características comuns entre os vários comportamentos de dependência:

  • A pessoa torna-se obcecada (constantemente pensa) no objeto, atividade ou substância;
  • Eles vão procurá-la, ou se engajar no comportamento mesmo que esteja causando dano (problemas físicos, o trabalho ou o desempenho pobre no estudo, problemas com amigos, familiares, colegas de trabalho);
  • A pessoa vai compulsivamente exercer a atividade, isto é, fazer a atividade mais e mais, mesmo se não quer e achar que é difícil de parar;
  • Após a cessação da atividade, os sintomas de abstinência ocorrem frequentemente. Estes podem incluir irritabilidade, desejo, inquietação ou depressão;
  • A pessoa parece não ter controle sobre quando, por quanto tempo, ou o quanto ele ou ela vai continuar com o comportamento (perda de controle). Bebem seis cervejas quando só queriam uma, compram oito pares de sapatos quando só precisavam de um cinto, ficam por horas em redes sociais quando só iam postar uma foto etc;
  • Ele/ela muitas vezes nega problemas resultantes de sua/seu engajamento no comportamento, embora outros possam ver os efeitos negativos;
  • A pessoa esconde o comportamento dos amigos da família ou amigos próximos mencionaram suas preocupações;
  • Muitos indivíduos com comportamentos aditivos relata, um apagão durante o tempo que eles estavam envolvidos no comportamento;
  • Depressão é comum em indivíduos com comportamentos de dependência. É por isso que é importante fazer uma consulta com um médico para descobrir o que está acontecendo;
  • Indivíduos com comportamentos de dependência, muitas vezes têm baixa auto-estima, sentem-se ansiosos, se o não tem controle sobre o seu ambiente, e vêm de famílias psicologicamente ou fisicamente abusivos.

O que causa comportamentos de dependência?

Não há consenso quanto à etiologia (causa), prevenção e tratamento de doenças que causam dependência. Como exemplo dessa confusão, muitas pessoas consideram comportamentos aditivos, tais como jogos de azar e alcoolismo, como “doenças”, mas outros as consideram comportamentos aprendidos em resposta à complexa interação entre hereditariedade e fatores ambientais. Outros ainda defendem uma causa genética. Alguns pesquisadores salientam que, ao contrário da maioria das doenças comuns, como a tuberculose, a qual tem uma causa definida (um micróbio) e um modelo de tratamento definitivo para a qual todos concordam, não existe uma causa determinante ou método de tratamento definitivo para a qual todos concordam na maior parte dos comportamentos de dependência.

Vício em compras

Compras em excesso além de serem um vício que causa problemas de saúde, pode também acabar com seu bolso. (Foto: www.sobreavida.com.br)

Esta falta de acordo entre os especialistas causa problemas na prevenção e tratamento e abordagens para muitos comportamentos de dependência. Profissionais debatem se abstinência total ou uso controlado e moderado de uma substância ou atividade é eficaz. Outros debatem se ou não um medicamento para um método de tratamento é desejável. Na área da dependência de alimentos ou de exercícios, evidentemente, alguns advogam pela abstinência total como uma solução.

Ainda, se levarmos para os novos vícios de produtividade, aqueles que levam constantemente à procrastinação, principalmente no âmbito tecnológico, as pesquisas são muito recentes e cabe o bom senso do indivíduo e de seu psiquiatra e/ou psicólogo identificarem tais vícios com urgência.

Embora as teorias para as causas dos comportamentos de dependência e seu tratamento sejam inúmeras, vários tipos de terapia podem ajudar uma pessoa que tem um comportamento viciante.

Se você acha que você ou um membro da família podem ser viciados em uma substância, atividade, objeto ou comportamento, por favor, fale com o seu médico de família, conselheiro, psicólogo ou procure um grupo de apoio para o problema. Quanto mais você adiar o tratamento, mais difícil será encontrar uma cura.

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)