Vale a pena sair do Brasil para trabalhar em um emprego “pior” no exterior?

Escrito na categoria "Recursos Humanos" por André M. Coelho.

Digamos que você seja um administrador de empresas no Brasil. Seu salário já não tem incrementos significativos nos últimos anos e surgiu a oportunidade de você mudar para o exterior para trabalhar como mecânico em uma oficina. Seu salário lá será melhor mas o emprego é considerado “pior” do que seu cargo atual, de administrador chefe. Será que vale a pena sair do Brasil para ir para este emprego?

Quando você receber uma oferta de emprego, é importante ter tempo para avaliar cuidadosamente a oferta para aceitar ou rejeitar, a oferta. A última coisa que você quer fazer é tomar uma decisão precipitada que você vai se arrepender mais tarde. Na hora de considerar a mudança de carreira, você deve considerar todo o pacote de remuneração: salário, benefícios, vantagens, ambiente de trabalho, futuro e não apenas seu salário ou o status. Pese os prós e contras e tome algum tempo para meditar sobre a oferta. É perfeitamente aceitável pedir ao empregador ou futuro patrão por algum tempo para pensar sobre isso.

Questões Financeiras

O dinheiro não é a única consideração, mas, é um passo importante. É a oferta que você esperava? Se não, é um salário que você pode aceitar sem se sentir ofendido? Você vai ser capaz de pagar suas contas? Se a sua resposta for não, então não aceite a oferta, pelo menos de imediato. Certifique-se de que você está sendo pago o que você vale a pena e você está feliz com a compensação. Ninguém quer estar em uma posição onde percebe que o salário não é suficiente depois de terem aceitado a oferta de emprego. Se o pacote de remuneração não é o que você esperava, considere a negociação salarial com o seu futuro empregador. Além disso, é importante levar em conta também sua projeção salarial para os próximos anos e uma comparação aos anos anteriores: se sua situação salarial se manteve estável nos últimos anos, dificilmente haverá mudanças no curto prazo. E isso pode ser um ponto extremamente negativo.

Trabalho no exterior

O trabalho no exterior pode ser bem atrativo e dar a oportunidade de juntar dinheiro e ganhar experiência. (Foto: www.grzero.com.br)

Benefícios e regalias

Além do salário, reveja os benefícios e vantagens oferecidos. Às vezes, o pacote de benefícios pode ser tão importante quanto o que você recebe em seu salário. Se você não tem certeza sobre os benefícios que são oferecidos, peça informações ou esclarecimentos adicionais. Saiba detalhes sobre a saúde e cobertura de seguro de vida, férias, licença por doença, invalidez e outros programas de benefícios. Informe-se sobre o quanto dos custos de benefícios são fornecidos pela empresa, na íntegra. Se há uma variedade de opções disponíveis, a pedido, cópias das descrições plano para que você possa comparar os pacotes de benefícios. Coloque lado a lado tais fatores e compare qual traz mais pelo menor esforço.

Horas e viagens

Antes de aceitar um trabalho, não se esqueça que você deixou claro o horário e dias que você precisa trabalhar. Além disso, confirme se viagens estão envolvidas. Se a posição requer 45 ou 50 horas de trabalho por semana e você está acostumado a trabalhar 35 horas, considere se você vai ter dificuldade em se comprometer com a programação. Se a natureza do trabalho exige que você precise estar na estrada, três dias por semana, não se esqueça que você deve comprometer-se a isso, também. Além disso, considere o tempo de viagem de e para o trabalho. O trajeto vai demorar uma hora extra ou haverá taxas de estacionamento que você não está pagando agora? Contabilize tudo e considere o salário dividido pela soma de horas totais (trabalho + transporte) como o valor de remuneração por hora. Compare com sua remuneração atual e veja qual seu ganho real com a oportunidade.

Flexibilidade e Cultura da Empresa

Muitos de nós, com crianças pequenas ou pais idosos, ou outras considerações pessoais, precisam de flexibilidade em nossas programações. Para alguns de nós, a capacidade de trabalhar em um horário não típico da semana de trabalho de escritório, é importante. Também é importante se sentir confortável no ambiente que você está indo para trabalhar. Pergunte se você pode gastar algum tempo no escritório, conversando com potenciais colegas de trabalho e supervisores, se você não tiver certeza de que o ambiente de trabalho e cultura são uma boa opção.

Qualidade de vida no exterior

Você pode até pegar um emprego considerado “pior” mas a qualidade de vida pode ser algo que mude suas ideias e conceitos. (Foto: www.advocaciatribst.com.br)

Suas circunstâncias pessoais

No fim das contas, escolher mudar para um emprego no exterior é uma questão muito pessoal. Todo mundo tem um conjunto diferente de circunstâncias pessoais. O que poderia ser o trabalho perfeito para você pode ser um trabalho terrível para alguém. Aproveite o tempo para rever os prós e contras. Fazer uma lista é sempre útil. Além disso, ouça a sua intuição: se ela está dizendo a você para não aceitar o trabalho, não vá. Tenha em mente que, se este não é o lugar certo para você, não é o fim do mundo. Você poderá voltar e terá incrementado seu currículo com um tempo de trabalho no exterior.

É muito mais fácil para recusar uma oferta que é para sair de um emprego que você já começou. O empregador preferiria que você recusasse, ao invés de ter que começar de novo o processo de contratação. Portanto, tome o tempo para avaliar cuidadosamente a oferta. Faça perguntas, se tiver. Aproveite a situação para tentar negociar melhores condições em seu emprego atual. Tudo pode ser usado a seu favor e de forma positiva. Dependerá exclusivamente de como você quer lidar com a situação.

Sobre o autor

Autor André M. Coelho

André é pós-graduado em pedagogia empresarial, especializando na padronização de processos. Possui mais de 300 horas em cursos relacionados à administração de empresas, empreendedorismo, finanças, e legislação. Atuando também como consultor e educador empresarial, André escreve sobre Recursos Humanos desde 2012.

Deixe um comentário